Estudantes ficam feridos após bolsonaristas invadirem ônibus escolar

Bolsonaristas invadem ônibus com estudantes adolescentes, após supostamente serem provocados em Jundiaí (SP).

Estudantes ficam feridos após bolsonaristas invadirem ônibus escolar

Dois adolescentes que estavam em um ônibus de transporte escolar ficaram feridos após serem agredidos enquanto o veículo passava por uma manifestação bolsonarista, nesta quinta-feira (3), em Jundiaí (a 58 km de São Paulo), segundo a Secretaria da Segurança Pública.

De acordo com a pasta, o caso foi apresentado no 1º Distrito Policial de Jundiaí e a ocorrência ainda estava em andamento até a publicação desta reportagem. Os estudantes tiveram ferimentos leves.

As agressões ocorreram quando o veículo passou próximo ao 12º GAC (Grupamento de Artilharia e Campanha), na avenida 14 de dezembro, região da Vila Rami, onde bolsonaristas se concentram desde a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na eleição presidencial de domingo (30).

A reportagem teve acesso a oito vídeos gravados por estudantes com celulares. As imagens mostram que ao menos quatro homens entraram no veículo que estava lotado de adolescentes, com idade entre 14 e 17 anos. Todos são alunos da Etec (Escola Técnica) Vasco Antonio Venchiarutti.

Segundo um estudante de 17 anos, autor de um dos vídeos, uma pedra arremessada contra o ônibus quebrou um vidro lateral. Os estilhaços feriram um dos alunos, sem gravidade.

De acordo com o adolescente, o veículo se dirigia ao terminal do centro de Jundiaí, quando jovens começaram a cantar músicas contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) e fazer outras provocações quando o ônibus passou próximo da manifestação.

As imagens mostram quando manifestantes deixam os protestos antidemocráticos e partem para cima do ônibus, quando o veículo para no trânsito.

Tanto os manifestantes quando alunos pedem para o motorista abrir a porta do veículo, conforme os vídeos, que passaram a circular em redes sociais.

Assim que a porta é aberta, os homens entram aos berros no ônibus. Como havia estudantes sentados no chão do coletivo, impedindo a circulação, eles deles passam por cima dos bancos.

Os homens, um deles com uma bandeira do Brasil amarrada no pescoço, começam a xingar os estudantes de “otários” e “maconheiros” e dizem que “estão lutando” pelos estudantes.

Um dos bolsonaristas grita para um adolescente descer do ônibus —não é possível ver nas imagens se ele saiu.

E quando já ia embora, ao ser provocado, o mesmo homem voltou para o coletivo e chegou a segurar um garoto. Outros estudantes tentaram afastá-lo.

Segundo o adolescente ouvido pela reportagem, os manifestantes só desceram do ônibus quando uma mulher entrou no veículo e argumentou para os bolsonaristas de que se tratavam de adolescentes.

Na quarta-feira (2), milhares de pessoas passaram o feriado de Finados reunidas em frente ao local. Com um carro de som, a todo instante era pedido “intervenção federal” —um cartaz com os dizeres ainda estava no local nesta quinta, conforme mostram os vídeos feitos estudantes.

O quartel do Exército fica às margens da rodovia Anhanguera e o local foi um dos pontos de bloqueios ilegais em rodovias nos últimos dias, que diminuíram, principalmente depois de pedido de Bolsonaro, em vídeo na noite de quarta.

Pela manhã, a Polícia Militar afirmou que não havia nenhuma rodovia estadual totalmente interditada em São Paulo.